quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


Um pouco sobre a Reforma Psiquiátrico do Brasil:

Tendo como base textos de Foucault e Basaglia que questionam as relações de poder e a exclusão da loucura, surgem pontos cruciais que afetam e definem o que podemos chamar de princípios do movimento antimanicomial.
É interessante que saibamos quais são esses princípios para direcionar a nossa prática à verdadeiras mudanças internas e externas ao sujeito, para que possamos refletir e articular junto com diferentes componentes da sociedade a construção de novos espaços de tratamento, que visem o apoderamento dos sujeitos e à participação da comunidade,cultura, cidadania e produção de sentidos.


1°- A consideração da dimensão da subjetividade nas experiências da loucura em particular, e na luta política em geral.
2°- A extinção do hospital psiquiátrico e sua substituição por um modelo assistencial radicalmente diverso.
3°- A abordagem das experiências da loucura deve apontar para a sua presença e produção no espaço da cultura.
4°-O movimento antimanicomial é um movimento social, que organiza trabalhadores, familiares e usuários de Saúde Mental no combate às diferentes formas de exclusão da loucura.
5°- O movimento antimanicomial, em aliança com outros segmentos da sociedade civil organizada, participa de uma luta política por transformações estruturais da sociedade.



....O processo histórico de exclusão da loucura não tem suas raízes na natureza da loucura, não são características inerentes do sujeito louco que geram tal exclusão; este processo resulta de uma série de embates, enfrentamentos, correlações de força, no âmbito de uma cultura que acredita demasiadamente em sua própria razão.... (Trecho do livro Experiências da Loucura de Ana Marta Lobosque)

2 comentários:

Mariana Fulfaro disse...

Oi, Ana!

Que bom que você gostou! :D

Também gostei muito do seu blog: bonito, bem escrito e com temas relevantes.

Confesso que estou te acompanhando desde o segundo post, rsrs.

Devemos levantar sempre as questões sobre a Terapia Ocupacional, mesmo após ter deixado a faculdade. Acredito ainda que precisamos acrescentar às nossas discussões outros pontos, como a nossa forma de atuar, de interagir com os outros profissionais e, principalmente, as políticas públicas de saúde.

Fico muito feliz - e aliviada - em saber que o time das pessoas interessadas em melhorar o atendimento de saúde à população está se avolumando!

Um grande bju!

Mariana Fulfaro disse...

Ah, e estou aguardando o próximo post, hein? rs